Em épocas de crise, várias empresas passam dificuldades e quem não se prepara corre sérios riscos. E o segredo para conseguir superar períodos difíceis? Acertar na gestão financeira! Usar uma estratégia eficiente para diminuir ao máximo os custos e conseguir manter boas receitas deve ser o foco principal de todas as decisões.

Reunimos algumas áreas que pedem atenção especial, independentemente de você ser um MEI ou uma empresa, a fim de garantir estabilidade nos momentos mais incertos. Confira:

1. Controle o fluxo de caixa

Um bom controle de fluxo de caixa é fundamental para a sobrevivência de qualquer empreendimento. Ter pleno conhecimento sobre entradas e saídas do seu caixa permite que você se planeje para honrar seus compromissos sem precisar buscar recursos externos.

Por meio do fluxo de caixa uma empresa pode:

  • Utilizar seu próprio caixa para fazer pagamentos, evitando usar cheque especial ou empréstimos, que podem ter taxas de juros extremamente prejudiciais;
  • Conhecer a sazonalidade de seu negócio e se preparar para momentos de resultados mais baixos;
  • Elaborar estratégias para manter capital de giro disponível e evitar ter dificuldades ou ficar desprevenido.

2. Fique de olho nas despesas

Alguns gastos precisam ser totalmente repensados, outros são tão comuns que podem passar imperceptíveis e prejudicar todo seu resultado. Especialmente em momentos de crise, você precisa analisar quais de fato contribuem ou atrapalham.

Despesas de viagens, horas extras e gastos com combustível são despesas a serem repensadas cuidadosamente. Muitas vezes elas podem ser reduzidas ou eliminadas e vão fazer uma grande diferença no orçamento.

Para completar a avaliação das despesas, também é necessário separar os custos fixos dos variáveis. Os primeiros são aqueles que a sua empresa tem, independentemente da quantidade de itens vendidos ou produzidos. Já os custos variáveis aumentam ou diminuem conforme o seu volume de venda ou produção.

Para fazer uma projeção de vendas é preciso lembrar-se de que os custos variáveis serão proporcionais. Se isso não for pensado, muitas vezes o planejamento não sai como esperado.

Quanto aos custos fixos, cabe encontrar formas de reduzi-los sem prejudicar o funcionamento do negócio. Contas como aluguel, planos de telefonia ou internet podem ser objetos de renegociação ou substituição por outros mais vantajosos.

Dica: entenda como categorizar as suas contas lendo o artigo: Categorias financeiras.

3. Planeje previamente o custo de forma estratégica

Não se pode sair cortando gastos sem pensar nas consequências dessas escolhas, portanto, reduza custos onde não impacte nas suas receitas.

Há áreas que exigem uma avaliação mais criteriosa antes de optar pelo corte:

  • Recursos Humanos: diminuir benefícios num momento de crise pode desmotivar sua equipe e piorar os resultados em termos de produtividade. Cortes de pessoal também trazem o risco de tirar pessoas fundamentais da equipe;
  • Qualidade do produto ou serviço: diminuir a qualidade dos produtos vendidos é um tiro no pé. Sua empresa pode acabar recebendo reclamações e perdendo clientes se os produtos não forem mais satisfatórios;
  • Verbas de Marketing: a propaganda continua sendo a alma do negócio. Como essa premissa básica não mudou, sumir “do radar” do seu cliente em um momento de crise é dor de cabeça na certa.

Dica: acompanhe através do software financeiro Flua os saldos consolidados e o fluxo de caixa projetado para tomar as suas decisões.

4. Escolha a melhor forma de tributação

O Simples, o Lucro Presumido e o Lucro real são formas de tributação diferentes. Você deve avaliar em qual deles sua empresa se enquadra e em qual obtém mais vantagens. Procure saber detalhes das diferenças entre os três e avaliar o mais adequado ao seu porte e lucro do exercício.

5. Recorra às ferramentas facilitadoras

Se você tem um sistema de gerenciamento financeiro ou utiliza alguma ferramenta online, aproveite recursos extras que permitam uma visualização clara e global do negócio. Acredite: facilitadores como gráficos e relatórios permitem uma percepção muito melhor sobre os seus resultados.

Além disso, lembretes para compromissos e atividades programadas são excelentes maneiras de não perder prazos e cumprir com seus compromissos.

Aproveite as dicas e faça uma avaliação geral da gestão financeira da sua empresa. Restou alguma dúvida? Deixe um comentário e conte para nós!